MAIS UMA CONTA AMARGA DO PT

terça-feira, 18 de julho de 2017
amarildocharge

A passagem do Par­tido dos Trabalha­dores (PT) pelo governo federal continua provo­cando efeitos ne­fastos para o País. O mais co­nhecido é a crise econômica, com suas consequências sobre o emprego, o consumo, o crédi­to, a atividade industrial, etc. A herança maldita petista conti­nua afetando, de variadas for­mas, a vida de todos os brasilei­ros. Além dessas consequên­cias gerais dos anos do PT no Palácio do Planalto, há outras que atingem especialmente al­gumas pessoas, como é o caso dos déficits dos fundos de pen­são de estatais e empresas de economia mista. Os frutos da má gestão dos petistas fazem com que trabalhadores e apo­sentados dessas empresas te­nham seus vencimentos des­contados mensalmente como forma de diminuir o rombo des­sas entidades de previdência complementar.

Conforme informa o Esta­do, cerca de 142 mil funcioná­rios e aposentados da Caixa Econômica Federal (CEF) e dos Correios são descontados mensalmente para cobrir os déficits dos fundosFuncef e Postalis, respectivamente. Além deles, até. o fim do ano, 77 mil funcionários da Petrobrástambém deverão arcar com parte do salário para co­brir os erros da gestão petista no fundo de pensão. O porcentual a ser descontado ainda não foi definido. Um dos pla­nos da Fundação Petrobrás de Seguridade Social (Petros) tem déficit de R$ 26,8 bilhões.

A conta paga pelo trabalha­dor pelos rombos dos fundos de pensão vem crescendo. Até junho, oFuncef descontava 2,78% dos vencimentos de seus participantes para cobrir o pre­juízo de 2014. Agora, por conta do déficit ocorrido em 2015, o desconto deve subir para 10,64%. E já está em estudo co­mo será coberto o prejuízo de 2016, no valor de R$ 6 bilhões. No momento, a situação mais dramática é a do fundo Posta­lis, que tem 84,2 mil participan­tes. O corte nas aposentadorias aproxima-se dos 18% e, até o fim do ano, deve chegar a 20%.

Os rombos desses fundos de pensão não são eventos cir­cunstanciais. Eles estão direta­mente relacionados com o aparelhamento promovido pelo PT. Ao longo de toda a gestão petista, os planos de previdên­cia complementar de estatais e empresas de economia mista foram utilizados para acomo­dar aliados políticos e, sobretu­do, para financiar projetos de interesse do PT.

Em vez de seguir os critérios de prudência e rigor técnico, necessários para a condução de qualquer investimento destina­do a assegurar o rendimento fu­turo dos participantes, os ges­tores desses fundos fizeram aplicações temerárias e duvido­sas, que atendiam a interesses partidários, no Brasil e no exte­rior, como os investimentos em títulos públicos da Argenti­na e da Venezuela.

Caso paradigmático dessa conduta danosa aos trabalhado­res foi o investimento de RS 1 bilhão feito pela Funcef na Se­te Brasil, empresa criada pelo governo petista para fornecer equipamentos para a explora­ção do petróleo do pré-sal e que está atualmente em recupe­ração judicial. O ex-diretor da empresa Pedro Barusco foi re­centemente condenado a devol­ver cerca de R$ 90 milhões, re­ferentes a propinas de contra­tos com estaleiros e a outros va­lores ilegais que recebia em fun­ção do cargo.

Esse desrespeito com o di­nheiro do trabalhador foi cons­tatado por diversos órgãos e instâncias. Ao investigar os qua­tro maiores fundos de estatais e empresas de economia mista (Petros, Funcef,Postalis e Previ, do Banco do Brasil), a Opera­ção Greenfield, da Polícia Fede­ral, apontou evidências de “ges­tão temerária e fraudulenta”, além de desvios criminosos de R$ 8 bilhões na gestão desses fundos. Também o Tribunal de Contas da União e aComissão Parlamentar de Inquérito dos Fundos de Pensão, realizada em 2015, apontaram erros na condução desses fundos.

Na verdade, os descontos nos vencimentos dos trabalha­dores e aposentados cobrem apenas metade do rombo. O restante é pago pelas empresas patrocinadoras dos fundos. Co­mo elas são estatais ou de eco­nomia mista, tem-se mais uma vez toda a sociedade pagando pelos erros do PT. Que nin­guém possa se iludir novamen­te com esse partido.
 
Fonte: O Estadão

0 comentários: