PROBLEMA SEM SOLUÇÃO: A FALTA D'ÁGUA EM PATU EM PROSA E VERSO

segunda-feira, 19 de agosto de 2013


A falta d'água em Patu
Da cidade é um emblema
Ainda não foi possível
Por um fim nesse dilema
Parecendo até não ter
Solução para o problema.


A CAERN é criminosa
Nenhum júri a absolve
Nessa questão delicada
Pouca gente se envolve
Começa e termina ano
E o caso ninguém resolve.


Todos os políticos sabem
O que está acontecendo
Existem os que acusam
E os que ficam defendendo
Uns põem a culpa nos outros
E a população sofrendo.


Nos meses que está chovendo
Esse mal se distancia
No entanto, existem várias
Ruas da periferia
Que com chuva ou sem chuva
Não têm água nem um dia.


Na Nova Patu, nos canos
Só sai vento e cai poeira
Capelinha e Cajaranas
Não pinga água em torneira
Mesmo assim é no Fomento
E no Conjunto João Pereira.


Rua do Pinga, não pinga
Nem no bairro do Quartel
Conjunto Francisco Dantas
A escassez é cruel
A água que vem num mês
Não enche nem um tonel.


A falta d'água em Patu
Será por falta de sorte?
Pois a adutora vem
De uma fonte muito forte
O maior reservatório
Do Rio Grande do Norte.


Na verdade, a água existe
E em grande quantidade
O que falta é estrutura
E operacionalidade
Pra que ela chegue a todas
As casas desta cidade.


Enfim, persiste o problema
Que traz preocupação
Sai governo, entra governo
Não muda a situação
Enquanto sofre uma grande
Parte da população.


Nas promessas dos políticos
Ninguém confia mais não
Quem tem esperança ainda
Faz esta interrogação:
Pra falta d'água em Patu
Ainda há solução?

Autor: Zé Bezerra
Visite o Blog Sertão Caboclo:
http://sertaocaboclo.blogspot.com/


NOTA DO PATUNEWS: O verso acima, de autoria do professor Zé Bezerra, foi publicado no Blog Sertão Caboclo, em 07 de outubro de 2011, quando nossa cidade enfrentava, ou seja, ainda enfrenta uma crise de falta d'água bastante grave, no entanto, a incompetência da CAERN em gerir o sistema de abastecimento de Patu ainda não superada e essa incompetência é bem antiga, na verdade é crônica. Veja outro poema de autoria também de Zé de Bezerra e publicada no mesmo Blog em 20 de abril de 2009, reclamando da incompetência da CAERN no tocante ao abastecimento d'água em Patu.

DESCASO E INCOMPETÊNCIA

 

Faço uso dos meus versos
Desta vez pra reclamar
Descontente, insatisfeito
Preciso denunciar
A CAERN inoperante
Que está a todo instante
Nos tirando a paciência
Por incontáveis motivos
Com seus qualificativos
Descaso e incompetência.

Quando no ano dois mil
A cidade de Patu
De água era abastecida
Da barragem de Assu
Toda a população
Vibrou com a solução
De um problema de carência
Tudo transcorria bem
Não se imaginava em
Descaso e incompetência.

Há dois anos na cidade
A falta d'água é constante
Sem o abastecimento
O povo sofre bastante
Parece até uma praga
Vem a conta ninguém paga
Há revolta e turbulência
Pela água que não vem
Que na CAERN só tem
Descaso e incompetência.

Quanta água há na barragem
Fonte distribuidora
Será que o líquido evapora
Nos tubos da adutora?
Se a água não chega não
São os motores que são
Desprovidos de potência?
Não é nada disso, gente!
Aqui só há realmente
Descaso e incompetência.

Na maioria dos bairros
A água não aparece
Com carro pipa ou carroça
O povo se abastece
Assim o produto é raro
E se torna muito caro
Pela insuficiência
Da CAERN em seu serviço
Por falta de compromisso
Descaso e incompetência.

Os desmandos continuam
Vê-se que não são estanques
Há promessa demagógica
De políticos nos palanques
Mas nenhum passo foi dado
Vive o povo revoltado
Com a grande negligência
Pois não há quem não se oponha
A essa pouca vergonha
Descaso e incompetência.

Autor: Zé Bezerra
Fonte: Blog Sertão Caboclo
 

1 comentários:

Anônimo disse...

Muito bom, descrevem verdadeiramente a realidade!