TRT DIVULGA SALÁRIOS DO MÊS DE JULHO

terça-feira, 31 de julho de 2012
O Tribunal Regional do Trabalho da 21ª Região, com sede no Rio Grande do Norte publicou nesta terça-feira (31) uma nova relação de salários pagos aos seus juízes e servidores. A lista divulgada se refere à folha de pagamento do mês de julho de 2012 e totaliza um montante líquido de R$ 5.376.056,00 pagos a todo o seu quadro de pessoal, incluindo os magistrados.

De acordo com a assessoria de comunicação do TRT-21, ao contrário da folha publicada anteriormente, a folha do mês de julho não contempla valores pagos em razão de excepcionalidades, a exceção de parcelas atinentes a férias, 13º salario, diárias, e outras eventuais parcelas decorrentes de lei.

O TRT informou que ao contrário do que se havia publicado anteriormente, os magistrados trabalhistas do RN não recebem super salários, mas tão somente o que é devido, respeitado o teto constitucional recebido pelos Ministros do Supremo Tribunal Federal.

Todas as movimentações financeiras dos órgãos do Judiciário trabalhista são fiscalizadas e auditadas internamente por seu controle e externamente pelo Tribunal de Contas da União, pelo Conselho Superior da Justiça do Trabalho, pelo Conselho Nacional de Justiça e até pelo Ministério Publico Federal.

A publicação dos salários deverá ser feita mensalmente pelo TRT em cumprimento a Lei da Transparência e a Resolução 102 emanada do Conselho Nacional de Justiça.

O Presidente da AMATRA 21, juiz Alexandre Érico, ressaltou que “a sociedade precisa saber, através da transparência, que os magistrados não são marajás e que auferem apenas o que a legislação permite, ou seja, valores justos e compatíveis com o cargo e a responsabilidade que assumem, respeitando o valor do teto constitucional. Atualmente existe uma defasagem salarial nos vencimentos dos juízes que estão há mais de quatro anos sem reajuste e que merece ser corrigida por força da Constituição Federal, já que esta prevê revisão anual dos subsídios, regra que está sendo deliberadamente desrespeitada”.


1 comentários:

Anônimo disse...

Analisando o processo de cassação do Prefeito da cidade de Frutuoso Gomes, percebe-se que a justiça ñ faz juz aos casos qdo só condena os inocentes,porisso, neste país chamado Brasil se houvesse a pena de morte só os inocentes iam para a cadeira elétrica.Pois é reconhecido por toda uma maioria de pessoas da cidade que o cheque reforma foi irregularidade do governo Wilma e que se existe um cidadão que ñ precisou comprar voto para se tornar prefeito de Frutuoso Gomes este é Lucídio q pela profissão dígna q tem ñ necessita da politica para viver, o q difere de outros cidadões q fazem da política a sua profissão e q para sobreviver precisa do dinheiro publico e portanto, ñ sabe perder uma campanha e ousa d tdo artificio para coagir os cidadãos d bem.A justiça deve analisar e obter as conclusões precisas ñ em depoimentos inseguros e falsários q tentam prejudicar uma cidade inteira q viveu tantos anos coagida por um sistema ameaçador.